27/01/2012

Estética e Semiótica

Tem havido muitas tentativas de teorizar a ciência e a ficção. Muitas dessas, porém, têm se contentado com a definição de FC através da catalogação de material temático do gênero. Tais abordagens têm gerado o rebaixamento mais ou menos aleatório de textos específicos dentro ou fora do corpo de FC e provocaram um debate mais aprofundado sobre a especificidade do gênero dentro do escopo mais amplo da literatura não mimética como um todo.
Além disso, essas definições não permitem temáticas para a evolução futura capaz de minar as fronteiras do passado e do presente. Outras tentativas de especificar a FC contam com definições forjadas a partir de contradições aos cenários históricos. Dependendo de FC é considerada como uma das formas mais antigas da humanidade, da literatura, como um gênero mais moderno em particular ou como uma literatura nascida nos EUA no início de 1920, os limites e a própria razão de ser do gênero continuem a ser discutidos.
Finalmente, uma terceira abordagem, colocou a originalidade da FC em seu discurso único. Na verdade, a FC não é tanto um gênero por causa de seu conteúdo ou convenções, mas por causa de seu modo específico de expressão. A principal desvantagem dessa via é que ela apresenta a FC como um todo fossilizado, impermeável à evolução dos hábitos dos leitores, escritores e editores e criatividade das bases genéricas dos artifícios puramente retórica.

Figura: Semiótica, que ciência é esta?

Assim, qualquer definição sobre FC deve-se considerar a força dinâmica subjacente às mudanças superficiais tendo modificado o gênero em diversas ocasiões, e deve ser capaz de explicar a discordância crítica a respeito do que FC é e não é. Nesse contexto, um estudo semiótico da FC oferece um método alternativo que torna possível a teorização dos temas abordados por autores do gênero e seus dispositivos retóricos, sem realmente ter de limitá-las a um determinado número. Também faz provisão para a identidade dinâmica do gênero.
Com efeito, traçando a evolução da interação entre autores e leitores no processo criativo da FC, a Semiótica traz à tona o fato de que, mais do que um conjunto específico de 'temas', uma tradicional 'forma' ou uma retórica 'modo', FC é, acima de tudo, uma tendência de misturar gêneros literários, juntamente com significados diferentes a fim de criar novos sistemas de signos.

Blogs

Postagens Populares

Entre em Forma