19/10/2011

A Ciência

Tão antiga quanto à própria existência do homem é sua inquietude diante da percepção e da compreensão dos objetos e dos fenômenos que o cercam. As noções sobre astronomia, geometria e física herdadas de antigas civilizações, como a suméria, a egípcia, a babilônia e a grega, constituem o alicerce do pensamento científico contemporâneo.
Em termos gerais, ciência se confunde com qualquer saber humano. Em sentido estrito, define-se ciência como as áreas do saber voltadas para o estudo de objetos ou fenômenos agrupados segundo certos critérios e para a determinação dos princípios que regem seu comportamento, segundo uma metodologia própria.
A ciência é um corpo ordenado sistemática de conhecimento sobre o universo, obtida através da observação e raciocínio, permitindo a dedução de leis gerais e princípios. O conceito científico é um conhecimento real sobre qualquer parte do universo, total ou parcialmente verificada. Para obter a compreensão dos fenômenos naturais, os cientistas recorrem ao método científico. 
Isaac Asimov, em sua Introducción a la Ciencia:

Aqueles que se sentem oprimidos pela invencibilidade do espírito humano e da manutenção da eficácia do método científico como uma ferramenta útil para desvendar as complexidades do universo, acham muito estimulante e desafiador o rápido progresso da ciência. Mas que sobre aquele que se esforça para esclarecer todas as fases do progresso científico com o objetivo específico de tornar inteligível para o público em geral? Neste caso, envolve uma espécie de desespero, que atenua a ação revigorante e estimulante. A ciência não estagna. Fornece uma visão completa das mudanças sutis e tonalidades, mesmo quando estamos assistindo. É impossível captar todos os detalhes em um determinado momento, e não ficar para trás imediatamente. (ASIMOV, prólogo, 1962).

O método científico não é extraordinário ou fixo, existem variações sobre o mesmo, mas os resultados devem ser aceites e de acordo com as observações. O método de pesquisa em biologia é o hipotético-dedutivo. O termo “hipotético” indica que deve ser feita duas ou mais hipóteses antes da experimentação. “Dedutivo” refere-se à obtenção de uma conclusão particular de um conceito geral ou universal.


Atomismo, evolução e relatividade


No século XIX surgiu um novo enfoque das ciências, marcado de certa forma pela descoberta do mundo microscópico e pela formulação de modelos atômicos.
A conexão entre as forças elétricas e magnéticas, corroborada por Oërsted e Faraday, deu origem a uma teoria unitária das modalidades físicas de ação recíproca que se mantém até hoje. Houve grandes progressos nos métodos matemáticos e, consequentemente, na formulação de complexos modelos teóricos. Joule e Helmholtz estabeleceram o princípio de conservação da energia e Helmholtz descobriu também a natureza eletromagnética da luz.
Com a teoria atômica de Dalton e o sistema periódico de Mendeleiev, a química consolidou seus princípios e seu método, enquanto a biologia teve grande impulso com os estudos de classificação realizados por Cuvier.
Ainda no século XIX, o naturalista inglês Darwin provocou uma autêntica revolução, que durante muitos anos foi objeto de controvérsia, com a publicação do livro On the Origin of the Species by Means of Natural Selection (1859; A origem das espécies), onde se acha exposta a célebre teoria da evolução.
Em 1838, Schwann e Schleiden lançaram as bases da teoria celular. Pouco depois, Pasteur e Koch estudaram a natureza dos germes microscópicos causadores das enfermidades e criaram as primeiras vacinas.
As ciências sociais progrediram e deram nascimento à sociologia e à economia como disciplinas científicas e independentes. O século XX principiou com a descoberta da radioatividade natural por Pierre e Marie Curie e o anúncio de novas doutrinas revolucionárias.
 A confirmação do conceito evolucionista e a extensão dessa ideia ao conjunto do universo, junto com a teoria quântica de Planck e a teoria da relatividade de Einstein, levaram a um conceito não causal do cosmo, em que só é lícito adquirir conhecimento a partir de dados estatísticos, cálculos de probabilidade e conclusões parciais.
Nada disso implica um retrocesso na validade do método científico, pois não se duvida que esse método assegurasse enormes progressos tecnológicos, mas sim um reconhecimento, por parte da ciência, de sua incapacidade de dar respostas cabais sobre a natureza e a origem do universo.
Na segunda metade do século XX, os métodos de observação de alta precisão apresentaram notáveis progressos com o descobrimento do microscópio eletrônico, no qual as lentes foram substituídas por campos eletromagnéticos e a luz por um feixe de prótons, e dos microscópios de raios X e de ultrassom, com grande poder de resolução.
A reunião de disciplinas como a automação, destinada ao estudo e controle dos processos em que o homem não intervém diretamente, e a informática, ou conjunto de técnicas dedicadas à sistematização automática da informação, nasceram outras disciplinas como a robótica, que se ocupa do desenho e do planejamento de sistemas de manipulação à distância.
Essa área de conhecimento teve aplicação, por exemplo, na astronáutica. Permitiu que o homem chegasse à superfície da Lua ou viajasse pelo espaço cósmico. No campo da astronomia foram criadas disciplinas como a astronomia das radiações ultravioleta e infravermelha, dos raios X, gama e outros.
Esses progressos se devem aos conhecimentos da física nuclear, que permitiram descobrir uma enorme quantidade de fenômenos e de corpos celestes, como os buracos negros, objetos astrais de densidade elevada e que não emitem radiação, e os quasares, objetos semelhantes às estrelas que emitem radiações de grande intensidade. A ciência moderna tem-se esforçado para obter novos materiais e fontes de energia alternativas para o carvão e o petróleo. O progresso da técnica permitiu a fabricação de semicondutores e dispositivos eletrônicos que conduziram aos computadores modernos.
O domínio dos processos atômicos e nucleares possibilitou a construção de centrais elétricas e instrumentos de precisão. A aplicação de novas tecnologias na medicina e o maior conhecimento do corpo humano e de seus mecanismos proporcionou melhora apreciável nas condições de vida dos habitantes do planeta.


Determinismo científico do positivismo e reducionismo


O determinismo científico se refere ao processo racional que permite aos cientistas para o desenvolvimento de teorias que definem os caminhos possíveis e predizer eventos naturais, em princípio, possíveis estados futuros desses eventos. 
A Teoria do Positivismo afirma que os métodos de investigação da física são adaptáveis ​​e justificáveis em todos os campos de pesquisa. A teoria do reducionismo que tudo na natureza pode ser descrito em termos científicos verificáveis ​​circunstancialmente. 
Com base nas noções relacionadas com o determinismo científico do positivismo e reducionismo, a ciência mais adere à teoria da verdade do que qualquer outro corpo de ideias ou metodologias. Através da harmonia das orientações positivista, determinista e reducionista, utilizado de forma adequada as teorias científicas estreitamente ajustadas com a realidade, nós derivamos os dois atributos essenciais da ciência: 
1. Todos os fenômenos naturais são decodificados. A ciência reconhece que as coisas e acontecimentos no universo ocorrem em determinados modelos que são detectáveis ​​através de um estudo cuidadoso e sistemático. Os cientistas acreditam que usando o intelecto, e com a ajuda de instrumentos que ampliam nossos sentidos, nós encontramos em todos os padrões da natureza. 
A ciência também admite que o universo seja um vasto sistema em que as leis fundamentais são as mesmas em toda parte. O conhecimento adquirido ao estudar uma parte do universo se aplica a todas as partes.
Por exemplo, os princípios da transferência e intercâmbio de energia (termodinâmica) na Terra, conta também para a transferência e intercâmbio de energia por todo o universo. Com algumas modificações ao longo dos anos, os mesmos princípios da termodinâmica têm sido aplicados em outros contextos e para todas as formas de energia. 
2. Ideias científicas podem ser corrigidas. Ciência como um processo, gera conhecimento e não é dogmática no sentido de que é baseada em ideias impostas por qualquer autoridade científica. O processo depende de decisões cuidadosas, observações dos fenômenos e descobrir as teorias que dão coerência para alcançar esses comentários.
A mudança no conhecimento é inevitável, porque novas observações poderiam lidar com as teorias existentes para gerir a sua redefinição ou mudar alguns conceitos. Não importa quão bem uma teoria explique um conjunto de observações, é sempre admissível outra teoria para explicar o mesmo ou talvez um evento cósmico que prevaleça sobre a teoria, ou pode-se incluir um maior número de observações.
Uma teoria, seja nova ou velha, pode ser verificada, melhorada ou descartada. Os cientistas admitem que, embora nenhum método seja seguro para garantir a absoluta verdade completa, fazem-se aproximações e as descrições são cada vez mais precisas para explicar o mundo e como ele funciona. 
3. Ideias científicas devem ser testadas. Todo conceito científico deve ser passível de verificação, seja de observação ou experimentais. Em ambas as formas de evidência, observação e da experimentação, você deve usar as ferramentas e os métodos da ciência e tecnologia adequados ao alcance de cientistas bem treinados e confiáveis ​​para o uso adequado dessas ferramentas e metodologias. 
Além disso, a verificação de um conceito científico deve ser repetível, isto é, não deve conter exercícios ou metodologias originais ou não permanecer dentro dos parâmetros de estabilidade necessários para evitar que outros pesquisadores repitam a observação ou a experiência em condições semelhantes. 
Observacional significa "baseado na observação pura", seja no sentido simples ou através de instrumentos apropriados para a observação. Astronomia e Cosmologia base à maioria das suas notas sobre o método de observação, porque os objetos de estudo não estão disponíveis para os pesquisadores. 
Experimental é por excelência o método que os cientistas usam para testar hipóteses decorrentes da observação dos fatos naturais. Biologia, Física e Química são ciências que empregam principalmente o método experimental, embora em alguns casos, totalmente dependente do método de observação. Por exemplo, estudos sobre evolução e genética.



Pensamento racional e raciocínio científico


Qual é o raciocínio científico? Não é fácil descrever em uma linha, porque o raciocínio científico ou o pensamento racional é construído em vários princípios:
1. O raciocínio científico é baseado em observações da natureza. Isso porque, de acordo com a teoria da verdade, a natureza é a fonte da realidade. 
2. O raciocínio científico é baseado em fatos naturais susceptíveis de ser observados ou aconselhados por qualquer pessoa, seja através dos sentidos naturais ou equipamento adequado. 
3. O raciocínio científico baseia-se repetitivos fenômenos naturais, ou seja, eventos que ocorrem com frequência suficiente para que outras pessoas mais capazes de corroborar o fato de que, além do primeiro observador. 
4. O raciocínio científico gera instruções para serem sujeitos a controles rigorosos, se as conclusões não são passíveis de análise por outros cientistas, tais afirmações não podem ser consideradas teorias científicas. 
5. O raciocínio científico deve ser coerente com a realidade observada. 
6. O raciocínio científico não gera conclusões a partir de ideias simples, mas ideias a partir de fatos observáveis. 
7. As ideias são reservadas para o plano da hipótese, desde que tais ideias têm uma casa em fatos observáveis. 
8. Quando uma ideia é gerada a partir de fatos observáveis ​​e é verificado como verdadeiro, essa ideia está sujeita ao plano das teorias, desde que esta ideia tem sido corroborada empiricamente. 
9. Se um argumento é gerado pelo processo racional não pode ser objeto de verificação e, se este argumento está aberto à refutação científica, este argumento não pode ser considerado como o raciocínio científico. Aplicar esta regra a qualquer argumento que é apresentado como a ciência e ver se esse argumento está enraizado no raciocínio científico. A melhor maneira de fazer isso, embora não o mais fácil é compará-lo com textos de reputação inquestionável, por exemplo, os periódicos científicos e livros. 

Blogs

Postagens Populares

Entre em Forma