19/10/2011

A Tecnologia


Desde o Big Bang, o universo está em constante evolução e continua em transformação. Primeiro foram os processos físicos e químicos, em seguida, a evolução biológica, e finalmente agora a evolução tecnológica. O destino é ainda desconhecido, mas as possibilidades são quase ilimitadas.
A evolução biológica continua, mas ainda é muito lenta para atingir os objetivos agora possíveis graças à evolução tecnológica.
A seleção natural com a tentativa e erro podem agora ser substituídos por seleção técnica com projeto de engenharia, monopólio da humanidade, como a única forma de vida avançada consciente do planeta, em breve chegará ao fim, complementada por uma série de encarnações pós-humano.
Além disso, com esta reengenharia podemos mudar fundamentalmente o modo como funciona nossa sociedade, e levantar questões fundamentais da nossa identidade e status moral como seres humanos.


O Universo e o Tempo


O famoso astrônomo Carl Sagan e astro biólogo popularizou o conceito de Calendário Cósmico quatro décadas atrás. Em seu livro de 1977, Os Dragões do Éden: especulações sobre a evolução da inteligência humana escreveu um cronograma para o universo, começando com o Big Bang há 15 bilhões de anos atrás. Hoje, pensa-se que tudo começou cerca de 13,7 bilhões de anos atrás, e continua-se a atualizar e a melhorar o conhecimento da vida, do universo e tudo mais. Em seu Calendário Cósmico, com cada mês, representando pouco mais de um bilhão de anos, Sagan datava os grandes eventos durante os primeiros 11 (onze) meses do ano.
Curiosamente, a maioria do que se estuda na evolução biológica ocorreu no mês passado. Na verdade, Sagan escreveu que os vermes apareceram pela primeira vez em 16 de dezembro.

Infograma - Calendário cósmico: janeiro-novembro
______________________________________________________________
Big Bang - Janeiro 1
Origem da Via Láctea - Maio 1
Origem do sistema solar - Setembro 9
Formação da Terra - Setembro 14
Origem da vida na Terra ~ Setembro 25
Formação das rochas mais antigas conhecidas na Terra - Outubro 2
Data de fósseis mais antigos (bactérias e algas verde-azuladas) - Outubro 9
Invenção do sexo (por micro-organismos) ~ Novembro 1
Mais antigo fóssil de plantas fotossintéticas - Novembro 12
Eucariontes (primeiras células com núcleos) florescer - Novembro 15
______________________________________________________________
Infograma - Calendário cósmico: janeiro-novembro.
Fonte: JL Cordeiro baseado em C. Sagan (1977)

Infograma - Calendário cósmico: 31 de dezembro
______________________________________________________________
Origem do Proconsul e Ramapithecus,
Prováveis antepassados dos macacos e dos homens ~ 01:30 pm
Primeiros seres humanos ~ 10:30 pm
Difundido o uso de ferramentas de pedra - 11:00 pm
Domesticação do fogo pelo homem de Pequim - 11:46 pm
Início do período glacial mais recente - 11:56 pm
Marítimos resolver Austrália - 11:58 pm
Extensa pintura rupestre na Europa - 11:59 pm
Invenção da agricultura - 23:59:20
Neolítico, civilização; primeiras cidades - 11:59:35
Primeiras dinastias na Suméria, Egito e Ebla;
Desenvolvimento da astronomia - 23:59:50
Invenção do alfabeto; Império acadiano - 23:59:51
Hammurabic, códigos legais na Babilônia;
Reino Médio no Egito - 11:59:52
Bronze metalurgia; cultura micênica; Guerra de Tróia;
Cultura olmeca; invenção da bússola - 11:59:53
Ferro metalurgia; Primeiro Império Assírio; Reino de Israel;
Fundação de Cartago pelos Fenícios - 23:59:54
Asokan Índia; dinastia Ch'in China; Atenas de Péricles, Buda - 23:59:55
Geometria euclidiana; física de Arquimedes; astronomia ptolomaica;
Império Romano, o nascimento de Cristo - 11:59:56
Zero e decimais inventados na aritmética indiana;
Roma cai; conquistas muçulmanas - 23:59:57
Civilização maia; Dinastia Sung na China;
Império Bizantino; invasão mongol; Cruzadas - 11:59:58
Renascimento na Europa, Descobrimento da Europa e da dinastia
Ming na China; Surgimento do método experimental na ciência - 11:59:59
O desenvolvimento generalizado da ciência e da tecnologia;
Surgimento de uma cultura global,
Aquisição dos meios de autodestruição da espécie humana;
Primeiros passos na exploração planetária nave espacial;
Busca de inteligência extraterrestre.
Agora: o primeiro segundo do dia de Ano Novo
___________________________________________________________
Infograma - Calendário cósmico: 31 de dezembro.
Fonte: JL Cordeiro baseado em C. Sagan (1977)

Os invertebrados começaram a florescer no dia 17, as trilobitas explodiram no dia 18, os primeiros peixes e vertebrados apareceram no dia 19, as plantas colonizaram a terra no dia 20, a animais colonizaram a terra no dia 21, os primeiros anfíbios e insetos alados apareceram primeiro no dia 22.
As primeiras árvores e répteis evoluíram no dia 23, os primeiros dinossauros apareceram no dia 24, os primeiros mamíferos evoluíram no dia 26, os primeiros pássaros surgiram no dia 27. Os dinossauros foram extintos no dia 28.
Os primeiros primatas apareceram no dia 29 e os lobos frontais evoluíram nos cérebros de primatas; os primeiros hominídeos apareceram no dia 30. Basicamente, os seres humanos são apenas os miúdos novos no bloco, e só evoluíram tarde da noite do último dia do Calendário Cósmico.

Infograma: Épocas do universo
____________________________________________________________________
Época 1 - Física e química (informações em estruturas atômicas)
Época 2 - Biologia (informação no DNA)
Época 3 - Brains (informação em padrões neurais)
Época 4 - Tecnologia (informação em projetos de hardware e software)
Época 5 - Incorporação de tecnologia e inteligência humana (métodos da biologia,
incluindo a inteligência humana, expansão exponencial da tecnologia humana)
Época 6 - O universo acorda (padrões de matéria e energia do universo tornam-se
saturados com processos inteligentes e conhecimentos)
____________________________________________________________________
Infograma: Épocas do Universo.
Fonte: Kurzweil, Raymon. A Singularidade está próxima, Viking, 2005.

O Calendário Cósmico é uma excelente maneira de visualizar a aceleração das mudanças e da evolução contínua do universo. Outros autores desenvolveram ideias semelhantes para tentar mostrar o aumento da complexidade na natureza. Por exemplo, em 2005, o astrofísico Eric Chaisson publicou seu último livro, Epopéia de Evolução: Sete Eras do Cosmos, onde ele descreve a formação do universo através do desenvolvimento de sete anos: a matéria, galáxias, estrelas, elementos pesados, os planetas, vida, a vida complexa, e da sociedade.
Chaisson apresenta um levantamento precioso desses campos e mostra como as combinações de sistemas mais simples se transformam em sistemas mais complexos, e assim ele dá um vislumbre do que o futuro possa trazer. Ambos Sagan e Chaisson escreveram excelentes panoramas sobre a evolução, desde os seus primórdios cósmicos para o recente surgimento de seres humanos e tecnologia.
No entanto, um olhar mais futurista é dado pelo inventor e futurista Ray Kurzweil, em seu livro 2005: A Singularidade está próxima: quando os seres humanos transcenderem biologicamente. Kurzweil fala sobre seis épocas com crescente complexidade e processamento de informações acumuladas.
Segundo Kurzweil, estamos entrando na época 5 (cinco) num ritmo acelerado de mudança. O evento principal desta fusão de tecnologia e inteligência humana será o surgimento de uma “singularidade tecnológica”.
Kurzweil acredita que dentro de um quarto de século, a inteligência não biológica vai igualar o alcance e a sutileza da inteligência humana, por causa da aceleração contínua de tecnologias baseadas em informação e a capacidade das máquinas em compartilhar instantaneamente os seus conhecimentos.
Eventualmente, os nano robôs inteligentes serão profundamente integrados em nossos corpos, nossos cérebros e nosso meio ambiente, poluição e superação da pobreza, muito maior longevidade, imersão total em realidade virtual, incorporando todos os sentidos, e muito melhor a inteligência humana.
O resultado será uma fusão íntima entre as espécies de criação de tecnologia e o processo de evolução tecnológica que ele gerou. Computador cientista e escritor de FC Vernor Vinge discutida pela primeira vez essa ideia de uma singularidade tecnológica em um já clássico 1993 de papel, onde ele previu:
Dentro de 30 anos, teremos os meios tecnológicos para criar uma inteligência sobre-humana. Logo depois, a era humana será encerrada”. Outros autores falam sobre singularidade tecnológica, tais como o momento em que a inteligência artificial vai superar a inteligência humana. Kurzweil também propôs a “lei do retorno acelerado”, como uma generalização da lei de Moore para descrever um crescimento exponencial do progresso tecnológico. A lei de Moore lida com um padrão de crescimento exponencial da complexidade dos circuitos integrados de semicondutores:

Infograma: Lei de Moore
Infograma: Lei de Moore. Fonte: Intel.


Kurzweil estende lei de Moore para incluir as tecnologias de longe, antes do circuito integrado a futuras formas de cálculo. Sempre que uma tecnologia abordagens algum tipo de barreira, escreve ele, uma nova tecnologia vai ser inventado para que possamos atravessar essa barreira. 
Ele prevê que as mudanças de paradigmas se tornarão cada vez mais comum, levando a “mudança tecnológica tão rápida e profunda, que representam uma ruptura no tecido da história humana”. Acredita-se que a “Lei dos Retornos Acelerados” implica que a singularidade tecnológica irá ocorrer em torno de 2045: 

Uma análise da história da tecnologia mostra que a mudança tecnológica é exponencial e, contrariamente à opinião intuitiva linear do senso comum. Portanto, não vamos experimentar 100 anos de progresso no século 21, vai ser mais parecido com 20.000 anos de progresso (na taxa de hoje). Os "retornos", como a velocidade de chips e de custo-efetividade, também aumentam exponencialmente.
Há ainda o crescimento exponencial da taxa de crescimento exponencial. Dentro de poucas décadas, a inteligência das máquinas vão ultrapassar a inteligência humana, conduzindo a Singularidade - mudança tecnológica tão rápida e profunda que representa uma ruptura no tecido da história humana. As implicações incluem a fusão de inteligência biológica e não biológica. Os seres humanos serão imortais baseados em softwares e em níveis de ultra inteligência expandindo-se pelo universo na velocidade da luz.
(KURZWEIL, 2005, A singularidade está próxima, p. 133).


Singularidade Tecnológica


Em 1965, Irving J. Good  descreveu algo muito parecido com o atual conceito da Singularidade Tecnológica. Ele previu que se em algum momento a inteligência artificial atingir equivalência à inteligência humana, as máquinas pensantes superarão rapidamente seus criadores. Good descreve:

Vamos definir uma máquina ultrainteligente como uma máquina que pode superar de longe todas as atividades intelectuais de qualquer humano reconhecidamente inteligente. Como a criação de máquinas é uma dessas atividades intelectuais, uma máquina ultrainteligente pode desenhar máquinas ainda melhores; haverá uma inquestionável ‘explosão de inteligência’, e a inteligência humana será deixada para trás. Ou seja, a primeira máquina ultrainteligente será a última invenção feita pelo homem. (GOOD, 1965, Especulações sobre a primeira máquina ultrainteligente, p. 31).

Essa descrição parece exatamente o roteiro de muitos filmes. Desde o Exterminador do Futuro, passando por Matrix, incluindo aí o Eu, Robô, baseado na obra de Isaac Asimov. Provavelmente os roteiristas de Hollywood tiveram inspiração nessa teoria que deu origem ao conceito de Singularidade Tecnológica.
No cinema, para quem não lembra, no Exterminador do Futuro, em 9 de Setembro de 1999 a Skynet torna-se operacional e começa a pensar por si própria, decidindo eliminar a raça humana. No filme Matrix a transição do domínio das máquinas é nebuloso, mas no final os seres humanos são transformados em pilhas para fornecer energia aos robôs. Em Eu, Robô, o computador vilão entende que o único jeito de garantir as Três Leis da Robótica é eliminando a maioria dos seres humanos. E claro, em 2001: Uma odisséia no espaço, na qual o computador de bordo de uma nave, o HAL-9000, fica maluco e resolve conspirar contra a tripulação.
O gráfico abaixo mostra que a tecnologia evolui de forma exponencial. A cada grande mudança de paradigma, menos tempo entre elas. A previsão de Kurzweil aponta que a Singularidade deve ocorrer ao redor do ano de 2045.
Sua teoria é uma extrapolação da Lei de Moore (a cada 18 meses dobra o poder de processamento dos computadores), juntamente com a sua teoria das mudanças aceleradas. De acordo com as previsões de Kurzweil a máquina tornar-se-á mais inteligente que o ser humano. Surgirão organismos biocibernéticos e a evolução tecnológica ocorrerá muito rapidamente, em proporções inimagináveis.

Infograma: Previsão de Kurzweil
Infograma: Previsão de Kurzweil. Fonte: http://techbits.com.br


O teste de Turing foi criado em 1950 por Alan Turing em seu ensaio Computing machinery and intelligence. Trata-se de um teste para determinar se uma máquina consegue manter uma conversação enganando um ser humano de que está conversando com uma pessoa.
Até hoje nenhum computador passou no teste de Turing, mas robôs de chat como a A.L.I.C.E. já enganaram muitas pessoas ao fingirem serem humanos. Kurzweil prevê que neste século computadores conseguirão passar pelo teste de Turing pela primeira vez.


Convergência Tecnológica


Futuristas hoje têm opiniões divergentes sobre a singularidade: alguns a veem como um cenário muito provável, enquanto outros acreditam que é mais provável que nunca haverá qualquer mudança muito brusca e dramática devido aos avanços na inteligência artificial. No entanto, a maioria dos futuristas e cientistas concorda que há um aumento da taxa de mudança tecnológica. 
De fato, o rápido aparecimento de novas tecnologias tem gerado avanços científicos nunca sonhou antes. A expressão "novas tecnologias" é utilizado para cobrir essas novas tecnologias e potencialmente poderoso como a engenharia genética, inteligência artificial e nanotecnologia. 

Figura: Robonaut 2.
Fonte: blog.wiiarenerds.com.br


Embora a denotação exata da expressão seja vaga, vários autores identificaram agrupamentos de tais tecnologias que consideram essenciais para o futuro da humanidade. Estes polos de tecnologia propostos são geralmente abreviados por essas combinações de letras como NBIC, que está para a nanotecnologia, biotecnologia, tecnologia da informação e ciência cognitiva. 
Várias outras siglas têm sido oferecidas para, essencialmente, o mesmo conceito, como a GNR (genética, nanotecnologia e robótica) usado por Kurzweil, enquanto outros preferem NRG porque soa semelhante a “energia”.
O jornalista Joel Garreau na Radical Evolution usa GRIN, de Genética, Robótica, Informação e Nano processos, enquanto o autor Douglas Mulhall no “Nosso Futuro Molecular usa GRÃO, de Genética, Robótica, Inteligência Artificial e Nanotecnologia. Outra sigla é BANG de bits, átomos, neurônios e genes. 
A Conferência NBIC primeiro Improving Human Performance de 2003 pela NSF (National Science Foundation) e o DOC (Department of Commerce). Desde então, tem havido muitos encontros semelhantes, nos EUA e no exterior. A União Europeia tem vindo a trabalhar sobre a sua própria estratégia para as tecnologias convergentes, assim como outros países na Ásia, começando com o Japão. 
A ideia de convergência tecnológica baseia-se na fusão de diferentes disciplinas científicas, graças à aceleração da mudança em todos os campos NBIC.

Infograma: Convergência Tecnológica NBIC

Infograma: Convergência Tecnológica NBIC.
Fonte: JL Cordeiro baseado MC Roco e WS Bainbridge (2003).

A nanotecnologia lida com os átomos e moléculas, a biotecnologia com genes e células, infotechnology com bits e bytes, e ciência cognitiva com os neurônios e cérebros. Esses quatro campos são convergentes, graças ao maior e mais rápido processamento de informações de computadores cada vez mais potentes. 
Especialistas dos quatro campos NBIC concordam sobre o potencial incrível de evolução tecnológica, finalmente, ultrapassar e direcionando a evolução biológica. Bill Gates, da Microsoft, declarou que: 

Espero ver os avanços na medicina de tirar o fôlego sobre as próximas duas décadas, pesquisadores e empresas de biotecnologia e vai estar no centro desse progresso. Eu sou um grande adepto da tecnologia da informação? Mas é difícil argumentar que a revolução médica emergente, liderada pela indústria da biotecnologia é menos importante para o futuro da humanidade e também capacitar às pessoas e elevar o padrão de vida (GOOD, 1965, Especulações sobre a primeira máquina ultrainteligente, p. 33).

Larry Ellison, da Oracle, o principal rival de Bill Gates na indústria do software, concorda: “Se eu tivesse 21 anos de idade, eu provavelmente não iria entrar na computação. A indústria da computação está prestes a tornar-se aborrecido.” Explica que: “Eu iria para a engenharia genética”. 
O biólogo Craig Venter passou 10 anos à leitura do genoma humano, e agora ele está planejando escrever novos genomas. Ele quer criar formas completamente novas de vida, a partir do zero. 
O cientista e escritor Gregory Stock também acredita que a clonagem, mesmo que um passo fundamental em biotecnologia é muito simples e desestimulante: “por copiar as formas de vida de idade, quando podemos agora criar novas?”. 
A evolução biológica permitiu o surgimento dos seres humanos, e muitas outras espécies, através de milhões de anos de seleção natural com base em ensaios e erros. Agora se pode controlar a evolução biológica, dirigí-la e ir além dela. Na verdade, por que a evolução forma vidas baseadas em carbono? Por que não passar a vida à base de silício, entre muitas outras possibilidades? Robótica e inteligência artificial nos permitem fazer exatamente isso. O cientista Marvin Minsky, um dos pais da inteligência artificial do MIT, escreveu um famoso artigo 1994 “Robôs herdarão a Terra?” na revista Scientific American, onde conclui:

Sim, mas eles serão nossos filhos, devemos nossas mentes para as mortes e as vidas de todas as criaturas que nunca foram engajados na luta chamada Evolução. Nosso trabalho é ver que todo esse trabalho não deve acabar no lixo sem sentido. (MINSKY, 1994, Quando os robôs herdarão a Terra, p. 113).

O especialista em robótica Hans Moravec já escreveu dois livros sobre robôs e os nossos (seu) futuro: mente das crianças em 1988 e do robô em 1998. Moravec argumenta que os robôs serão nossos descendentes legítimos e explica várias maneiras de upload de uma mente em um robô. 
Na Inglaterra, a cibernética com o professor Kevin Warwick vem implantando o seu próprio corpo com vários dispositivos de microchip e foi publicado em 2003 um livro sobre suas experiênciasI, Cyborg. Warwick é um pioneiro da cibernética, que alega que:


Eu nasci humano, mas este foi um acidente do destino - apenas uma condição de tempo e lugar em que eu acredito que é algo que temos o poder de mudar... O futuro está lá fora;... Estou ansioso para ver o que ele tem que eu quero fazer algo com a minha vida. Eu quero ser um cyborg. (WARWICK, 2004, I, Cyborg, p. 26).

Como esses autores e pensadores sugerem, precisa-se preparar-se para a realidade que vem com a convergência tecnológica NBIC, incluindo a robótica e inteligência artificial. Graças à evolução tecnológica, o homem transcende nossas limitações biológicas para se tornar transumanos e, eventualmente, pós-humanos. Para facilitar essa transição para uma condição pós-humana, devemos nos preparar para a possibilidade de que a Terra e outros planetas serão herdados por não apenas uma, mas várias formas de vida altamente inteligentes e sensíveis. A filosofia da Extropy e Transumanismo explica essas possibilidades ilimitadas para as gerações futuras. 

Figura: Os humanos estão se fundindo com máquinas.


Os seres humanos não são o fim da evolução, mas apenas o começo de uma evolução melhor, consciente e tecnológica. O corpo humano é um bom começo, mas certamente podemos melhorá-lo, atualizá-lo e transcendê-lo.
A evolução biológica através da seleção natural pode estar chegando ao fim, mas a evolução tecnológica está apenas acelerando agora. A Tecnologia, que começou a mostrar domínio sobre os processos biológicos há alguns anos está finalmente ultrapassando a biologia como a ciência da vida. O teórico Bart Kosko disse:

A biologia não é destino, nunca foi mais do que tendência era apenas a natureza do primeiro modo rápido e sujo para calcular com carne, chips são o destino... (KOSKO, 2000, Pensamiento borroso – La nueva ciencia de la lógica borrosa, pág. 90).

O padrão de chips baseados em silício é apenas um meio intermediário para a eterna vida inteligente no universo. Os seres humanos são a primeira espécie que é consciente de sua própria evolução e limitações, e os seres humanos acabarão por transcender essas limitações para se tornar pós-humanos. 
Estes pós-humanos dependerão não apenas de sistemas baseados em carbono, mas também de silicone e outras “plataformas” mais convenientes para diferentes ambientes, como viajar no espaço sideral. 
Eventualmente, todas estas novas formas de vida sensíveis podem ser conectadas a tornar-se um cérebro global, um grande cérebro interplanetário, e até mesmo um cérebro maior intergaláctico. 
As consultas finais científicas e filosóficas continuarão a ser enfrentadas por essas formas de vida pós-humanas. A inteligência vai continuar a evoluir e a tentar responder as questões da vida, do universo e tudo mais. Com ética e sabedoria, os seres humanos se tornarão pós-humanos.

Blogs

Postagens Populares

Entre em Forma